Ilhabela é destaque no IGM-CFA

Município do litoral paulista fica em primeiro lugar no ranking nacional que mede a qualidade da gestão pública no país.

 

Brasília, 13 de fevereiro de 2017 – Medir a qualidade da gestão pública dos municípios é um dos objetivos do Índice CFA de Governança Municipal (IGM-CFA). O estudo, criado e lançado recentemente pelo Conselho Federal de Administração (CFA), consiste em uma métrica da governança pública nos municípios brasileiros a partir de três dimensões: Gastos e Finanças Públicas; Qualidade da Gestão; e Desempenho. O município de Ilhabela garantiu o 1º lugar no Estado de São Paulo com a nota  0,767, o que colocou a cidade do litoral paulista no topo do ranking nacional.

O IGM-CFA foi elaborado a partir de dados secundários de bases públicas como PNUD, IBGE, STN e considera áreas como saúde, educação, planejamento urbano, articulação institucional, gestão fiscal, habitação, recursos humanos e outras que, com tratamento estatístico, gerou o resultado para o Índice e para cada dimensão do estudo. O resultado, segundo o ex-prefeito de llhabela, Antônio Colucci, é atribuído ao empenho e compromisso da equipe de gestão do município. “Esse resultado é fruto de um governo que teve como princípio decidir sempre pelo interesse público”, afirma Colucci.

Educação é prioridade – Colucci diz que, em sua gestão (ele foi prefeito da cidade por dois mandados consecutivos – 2009 a 20012 e 2013 a 2016), a educação foi prioridade. “Na média dos oito anos, aplicamos mais de 30% do nosso orçamento em educação. Municipalizamos o segundo ciclo do ensino fundamental, que estava sob a administração do governo estadual. Construímos 23 novas escolas, reformamos e ampliamos as existentes para termos condições de implantar o ensino em tempo integral em 100% da rede escolar. Ao final de 2016, já contávamos com 60% implantado”, explica o ex-prefeito.

Outras ações da área da educação também foram realizadas como a formação continuada de professores, redução da quantidade de alunos por sala de aula, inserção de novos conteúdos no currículo escolar, entre outros. Entre os resultados alcançados pelo municípios estão a queda na evasão escolar e aumento gradativo do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

Foco no bem estar – Além da educação, Ilhabela também ganha destaque quando o assunto é saúde. O município líder do ranking IGM-CFA recebeu novas unidades de saúde e as que já existiam foram reformadas. A cidade recebeu, ainda, investimentos em infraestrutura, saneamento básico e no turismo. De acordo com Colucci, a indústria turística é a grande geradora de emprego e renda local. “Nosso índice de desemprego ficou por volta de 5%. É muito importante salientar que uma cidade para ser boa para o turista, tem que ser boa para a sua população”, afirma.

Antônio Colucci recebeu a notícia de que Ilhabela está no topo do ranking do IGM-CFA com orgulho. Ele diz que a cidade vive um momento especial em relação ao restante do país. “Esse resultado vem reforçar meu sentimento de dever cumprido, principalmente num cenário como este em nosso país, de uma classe política tão desacreditada”, comemora o ex-prefeito.

Qualidade da gestão municipal – De acordo com o presidente do CFA, Adm. Wagner Siqueira, o IGM-CFA permitirá que o Sistema CFA/CRAs atue como um importante defensor da qualidade da gestão e da valorização dos profissionais de Administração. “Trata-se de um indicador que servirá para promover melhorias e ajustes na gestão dos municípios, sendo um insumo indispensável para os prefeitos recém-eleitos na elaboração políticas públicas”, explica Wagner, lembrando que o IGM permitirá que Sistema CFA/CRAs promova debates, seminários e edite publicações sobre o assunto. “Inserir o Administrador no espaço público é necessário para melhorar a gestão pública nos municípios”, defende.

O IGM-CFA é um referencial para o planejamento estratégico dos municípios. Os prefeitos poderão elaborar e justificar a captação de investimentos e melhorar os índices  dos municípios, mediante  a utilização de 60 indicadores,   da qualidade  da gestão pública municipal, dos gastos e das finanças e da entrega de resultados para a sociedade. As três dimensões pesquisadas no trabalho e a utilização de 60 variáveis em mais de 4 mil municípios representam uma grande representatividade para a profissionalização da gestão e a melhoria da governança no Brasil.

Metodologia – O estudo, realizado em parceria com o Instituto Publix, reuniu índices já consolidados no mercado como o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal, Índice de Efetividade da Gestão Municipal (IEGM), Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), entre outros. Foram mais de 400 variáveis encontradas.

Os pesquisadores fizeram um filtro e foram selecionadas variáveis com alta correlação. Posteriormente, elas foram agrupadas em três dimensões consideradas indispensáveis na gestão pública: Qualidade Fiscal (QF), Qualidade da Gestão (QG) e Desempenho (D). A soma desses índices gerou a métrica adotada para chegar ao IGM-CFA.

O indicador criado pelo CFA condensa a informação de diversas variáveis como educação, saúde, gestão, gestão fiscal, gestão ambiental, transparência e accountability, efetividade, informatização, planejamento urbano, articulação institucional, recursos humanos, habitação, vulnerabilidade social, e Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM).

Top 30 IGM-CFA

Ranking top 30 do Índice CFA de Governança Municipal

Sobre o CFA – O Conselho Federal de Administração é um órgão normativo, consultivo, orientador e disciplinador do exercício da profissão de Administrador, sediado na capital federal, responsável por controlar e fiscalizar as atividades financeiras e administrativas do Sistema CFA/CRAs. Este, tem como missão promover a Ciência da Administração valorizando as competências profissionais, a sustentabilidade das organizações e o desenvolvimento do país. Ele é integrado pelo CFA e pelos 27 Conselhos Regionais de Administração – CRAs, sediados em todos os Estados da Federação.

Por: Ana Graciele Gonçalves  (Assessoria de Imprensa-CFA)